Stent cardíaco deve ser coberto por plano de saúde


O stent cardíaco é um pequeno dispositivo em formato de tubo utilizado em cirurgias cardiovasculares para evitar a obstrução de artérias.

Apesar do tamanho pequeno, o custo do dispositivo é extremamente alto, principalmente em relação ao stent cardíaco farmacológico, que tem sua estrutura metálica revestido com medicação que é liberada no organismo facilitando, por exemplo, a cicatrização.

Ocorre que muitos planos de saúde negam cobertura aos stents cardíacos, mesmo havendo expressa indicação médica de sua necessidade.

Este tipo de negativa, no entanto, é considerada abusiva.

A própria Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) já estabeleceu que o fornecimento de prótese é obrigatório sempre que sua implantação se faça através de cirurgia, qualquer que seja a natureza desta.

A Justiça tem igualmente posicionamento no sentido de que os materiais necessários e relacionados à cirurgia devem ser cobertos, em especial o stent cardíaco.

Nesse sentido, a Súmula 93 do Tribunal de Justiça de São Paulo, que estabelece:

“A implantação de stent é ato inerente à cirurgia cardíaca/vascular, sendo abusiva a negativa de sua cobertura, ainda que o contrato seja anterior”.

Assim, havendo indicação médica expressa da necessidade de implantação do dispositivo como parte do tratamento cirúrgico proposto, o plano de saúde deve cobrir o stent cardíaco e, no caso de negativa, o paciente pode recorrer à Justiça.

 

Somos um escritório de advocacia especializado em Direito Médico e Direito da Saúde, nossa equipe especializada de advogados de planos de saúde, atua na defesa de usuários de convênios em questões como negativa de cobertura de medicamentos e tratamentos, aumentos indevidos de planos de saúde, reembolso de despesas médicas, cobertura e reembolso de home care (assistência domiciliar), etc.

Se tiver alguma dúvida, fale conosco pelo fone (11) 3266-2067 ou mande sua mensagem através do formulário de contato abaixo.